Quais os tipos de Seguro de Vida existentes? Será que vale a pena?

Reprodução: Google
Para quem não sabe, um seguro de vida é um contrato feito com alguma seguradora (que pode ser qualquer instituição) que garante à seus familiares ou dependentes o recebimento de uma cobertura financeira caso algo aconteça com você.

Aí, existe uma infinidade de seguros de vida sendo que alguns só funcionam perante à morte do cliente, na qual o valor é transferido para os beneficiários e outros tem até suporte caso o pagador necessite de auxílio financeiro durante um afastamento médico, por exemplo.

Vamos citar alguns exemplos no decorrer do texto!

Descubra o que pode ser deduzido no Imposto de Renda com os gastos da Saúde?

Todo esse acordo vai depender de uma apólice, na qual estará discriminado o valor desejado para pagamento e quais coberturas estarão incluídas. Normalmente, os pagamentos são mensais, mas a cobertura pode ser mudada para personalizar o serviço em função das necessidades do pagador.

Atualmente há uma contradição muito grande na contratação ou não do serviço. As seguradoras afirmam que é um investimento efetivo e vantajoso que garante uma melhor qualidade de vida seja pela segurança da garantia nos momentos imprevistos ou seja pela utilidade em se tornar uma herança para os filhos.

Confira agora algumas opções existentes no mercado:

  • Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente (IPA) – Vale para qualquer acidente que gere invalidez parcial ou total,
  • Invalidez Permanente Total por Acidente (IPTA) – Essa cobertura existe para quem está sujeito à muitos acidentes que podem causar invalidez permanente,,
  • Invalidez Funcional Permanente Total por Doença (IFPD) – Nessa cobertura, a pessoa fica protegida contra invalidez funcional permanente ou total em casos de doença,
  • Invalidez Funcional Permanente Total por Doença Antecipação (IFPDA) – É para enfermidades mais graves que impeçam o trabalhador de exercer sua função,
  • Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente com Majoração (IPAM) – É usado quando um acidente causa perda parcial ou total de um membro ou órgão,
  • Despesas Médicas e Hospitalares – É para o caso de tratamento em casos de acidente ou doença que costuma ser mais pesadas no orçamento.
Reprodução: Google

Se você acha que vale a pena, então, a dica é tomar cuidado na hora de escolher uma seguradora que realmente cumpra com os benefícios tratados e esteja presente para resolver as questões que vão surgir.

Agora que você entendeu um pouco de como funciona o seguro de vida, o que achou? Vale ou não a pena? Deixe a sua opinião…

Com informações do Mongeralaegon

Comente!

comentário