Apenas para quem pretende morar na Europa: Itália quer atrair Estrangeiros Ricos

Reprodução: Google

A conversa aqui é bem simples: o fisco italiano instituiu uma nova taxa fixa anual de 100 mil euros para os cidadãos estrangeiros e com patrimônios elevados que se mudam para a península. O foco da medida apresentada pela Agência de Entradas do país é envolver, ao menos, 1 milhão de pessoas e aumentar o poder de atração sobre milionários, que na maior parte das vezes, optam para se mudar para o Reino Unido.

Essa tomada de decisão vale apenas para quem já reside no exterior por, pelo menos, 9 períodos fiscais dentro da última década. Assim, italianos que deixaram a Itália não serão incluídos. A taxa é considerada um pagamento único de imposto fixo de 100 mil euros por ano e é opcional.

É importante saber que na Itália, a alíquota de imposto de renda é para quem ganha acima de 75 mil euros por ano, sendo que a taxa é de 43%, incidente sobre o patamar.

Um brasileiro está entre as pessoas mais endinheiradas da Suíça. Descubra quem é

“O objetivo é atrair e incentivar a transferência a nosso país de pessoas com um elevado patrimônio”, confirma a Agência de Entradas.

A atração de milionários também é uma forma de movimentar a economia do país, que, conforme números da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), não deve ultrapassar 1% nos próximos 2 anos.

Sobre Morar na Itália

Ainda que com essa “novidade” a Itália continua sendo um dos países mais burocráticos para atrair estrangeiros, inclusive, os brasileiros. Por exemplo, o país não exige o visto brasileiro, no entanto, assim sendo, você só poderá ficar lá por algum tempo. A concessão válida para turistas é de 90 dias, porém, assim que estão lá (até 7 dias) é preciso justificar a estadia, hospedagem, sustento… Tudo ao governo.

Você é um estudante ousado? Então, vá para a Rússia

Ah, e se você está pensando em migrar ilegalmente, saiba que cometerá um crime que pode te custar 10 mil euros, além de ser denunciado às autoridades de repatriamento.

A mesma burocracia vale para quem vai à Itália à trabalho. A diferença é que a duração pode ser de 6 meses e envolve uma série de documentos, tais como Formulário de Solicitação Individual, Passaporte, Cópia do Contrato de Trabalho e Documento de Compromisso do Estado, entre outros.

Com informações da Istoé

Comente!

comentário